MENU

28/03/2022 às 17h51min - Atualizada em 29/03/2022 às 00h00min

Open Health promete melhorar a eficiência das redes pública e suplementar de saúde, prevê especialista

Guilherme S. Hummel, coordenador científico da Hospitalar Hub, comanda uma noite de palestras e debate sobre a proposta do governo federal de uso de plataforma digital para intercâmbio de dados saúde. Painel temático abre em 4 abril a programação de evento online de aquecimento da Hospitalar, que vai até o dia 7.

SALA DA NOTÍCIA Nora Ferreira
https://app.swapcard.com/event/hospitalar/plannings/RXZlbnRWaWV3XzMzODQwNg==
Inspirado no Open Banking, o governo federal anunciou a intenção de criar o Open Health, um ambiente virtual que concentraria informações de saúde dos brasileiros, a serem acessadas por instituições da rede pública e privada - como operadoras e seguros saúde, hospitais e laboratórios – mediante a autorização e consentimento do paciente. Em 2020, o Ministério da Saúde lançou a Rede Nacional de Dados da Saúde (RNDS), um sistema que abriga informações dos pacientes atendidos na cadeia nacional de saúde. A iniciativa facilitou o registro da população vacinada contra a covid-19 e outros serviços oferecidos pelo SUS. Open Health passou a ser uma denominação paralela, usada por setores da Saúde Suplementar para referendar a RNDS, causando polêmica e confusão junto aos players do setor. O evento objetiva esclarecer o contexto real da RNDS.
Para o sucesso da RNDS, todos os players da cadeia de saúde passariam a usar prontuários eletrônicos, cujos dados seriam imputados no sistema, mantendo o histórico clínico do paciente atualizado e compartilhado com médicos e profissionais da saúde, que o acessariam com o consentimento do paciente. “Os médicos precisarão trabalhar com registros eletrônicos evitando a perda do histórico médico de cada paciente e reduzindo desperdícios, a redundância de exames médicos, entre outros grandes problemas da saúde nacional. Com uma rede única e transversal, como a RNDS, esses problemas seriam reduzidos sensivelmente”, explica Hummel. 

No dia 4 de abril, o a Feira Hospitalar vai promover um evento de Aquecimento, que abordará o tema no painel “Open Health & RNDS”, formado por palestras e debate. As palestras serão de Merched Chehed (diretor do Datasus - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde) e Mark Boyd (diretor da Platformable). Participam do debate “Open Health & RNDS: impacto na Saúde Suplementar” Jacson Barros (Strategic Business Development Manager na Amazon Web Service, a AWS), Claudio Maia (especialista de Open Everything da Awxay) e Luis Gustavo Kiatake (residente SBIS). O evento de Aquecimento poderá ser assistido pela Hospitalar Hub de forma gratuita mediante cadastro. A feira Hospitalar ocorrerá entre 17 a 20 de maio no São Paulo Expo, em São Paulo.

Tendência internacional
Na visão de Hummel, o mundo caminha na direção do Open Health. Atualmente, a União Europeia está criando uma plataforma para os mesmos fins. Nos Estados Unidos, os players da cadeia de saúde têm prazo até 2024 para promover a interoperabilidade dos seus dados. Assim, diversas plataformas abertas trabalharão em conjunto (interoperarão), trocando dados de forma ágil e segura.

No Brasil, 15 mil unidades do SUS já estão na RNDS. Faltam ainda outras 27 mil ingressarem no sistema. A ideia é que, quando o paciente for atendido no pronto-socorro, num ambulatório ou numa consulta médica, todos os seus dados serão colocados na rede para armazenamento e compartilhamento com toda a cadeia de saúde. A sistemática permitirá, por exemplo, que um médico acesse o histórico de um paciente de qualquer parte do País. “Se uma pessoa do Sul visitar o Nordeste e passar mal, o médico poderá ter acesso a seu prontuário via rede”, explica Hummel. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se as eleições fossem hoje, em quem você votaria para presidente do Brasil?

73.3%
17.4%
1.3%
1.0%
0.6%
2.3%
0.3%
0.3%
0.3%
0.6%
2.6%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp