15/10/2022 às 19h26min - Atualizada em 16/10/2022 às 00h00min

Iranianos voltam a invadir ruas e redes sociais contra a repressão e recebem apoio de Biden

Apesar das interrupções da Internet e do bloqueio do acesso às redes sociais por parte das autoridades, manifestantes conseguiram se organizar e protestam contra governo e Líder Supremo do país.

G1 Mundo
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/10/15/iranianos-voltam-a-invadir-ruas-e-redes-sociais-contra-a-repressao-e-recebem-apoio-de-biden.ghtml



Apesar das interrupções da Internet e do bloqueio do acesso às redes sociais por parte das autoridades, manifestantes conseguiram se organizar e protestam contra governo e Líder Supremo do país. Iranianas protestam contra a morte da jovem Mahsa Amini, morta pela polícia moral do Irã
RFI
Os iranianos saíram às ruas novamente neste sábado (15) para se manifestar contra o governo, um mês após o início do movimento de protesto desencadeado pela morte de Mahsa Amini. Um protesto reprimido com sangue, de acordo com a mídia internacional e as ONGs.
Mahsa Amini, uma curda iraniana de 22 anos, morreu em 16 de setembro, três dias após ter sido presa pela polícia moral em Teerã por suposta violação do rigoroso código de vestuário da República Islâmica, que inclui um véu para as mulheres.
As autoridades iranianas dizem que a jovem morreu de doença e não de "espancamento", de acordo com um relatório médico rejeitado por seu pai. Segundo seu primo, ela morreu após "um golpe violento na cabeça".
Desde então, muitas jovens mulheres lideraram os protestos, gritando slogans anti-governamentais, removendo e queimando seus lenços de cabeça, e enfrentando as forças de segurança nas ruas.
Apesar das graves interrupções da Internet e do bloqueio do acesso à Instagram e WhatsApp por parte das autoridades, os iranianos, por meio de uma chamada online dos ativistas, se reuniram neste sábado (15) nas ruas da cidade de Ardabil (oeste), de acordo com vídeos compartilhados no Twitter.
Initial plugin text
"Os mullahs devem sair!" cantaram mulheres sem véus islâmicos (hijabs) em uma universidade neste sábado, em um vídeo amplamente compartilhado online.
A oeste de Teerã, os manifestantes lançaram mísseis contra as forças de segurança na cidade de Hamedan, de acordo com imagens verificadas pela agência AFP.
Os comerciantes entraram em greve em Saghez, cidade natal de Mahsa Amini, na província noroeste do Curdistão, e em Mahabad, no norte, de acordo com a mídia online 1500tasvir, que rastreia as violações dos direitos humanos.
"Estudantes na aldeia de Ney em Marivan (oeste) atearam fogo nas ruas e gritaram cânticos anti-governamentais", disse Hengaw, um grupo de defesa dos curdos iranianos sediado na Noruega.
Os jovens também se manifestaram nas universidades de Teerã, na cidade sulista de Esfahan e na cidade de Kermanshah (noroeste), de acordo com imagens compartilhadas online.
"Situação delicada"
Os manifestantes estavam respondendo a um chamado dos ativistas para protestos em massa sob o slogan "O começo do fim!" do regime.
Os ativistas encorajaram os iranianos a se manifestarem em lugares onde as forças de segurança não estão presentes e a cantar "Morte ao ditador", referindo-se ao Líder Supremo Ali Khamenei.
Em resposta aos protestos, o Conselho de Coordenação para o Desenvolvimento Islâmico, um órgão oficial, pediu aos iranianos que expressassem nas mesquitas, após as orações da noite de sábado, "sua raiva contra os amotinados e a sedição".
Membros aposentados da Guarda Revolucionária, o exército ideológico da República Islâmica, também se reuniram no sábado, de acordo com o jornal reformista Shargh.
No comício, um comandante dos Guardiães disse que três membros de sua milícia paramilitar Bassij haviam sido mortos e 850 feridos em Teerã desde o início da "sedição", informou a agência oficial de notícias Irna.
O protesto, agora em sua quinta semana, provocou comícios de solidariedade no exterior e a repressão, que deixou mais de 100 pessoas mortas de acordo com as ONGs, foi condenada pela comunidade internacional.
Pelo menos 108 pessoas foram mortas na repressão, de acordo com a ONG Iran Human Rights (IHR), com sede em Oslo. A Anistia Internacional disse que pelo menos 23 crianças de 11 a 17 anos haviam sido "mortas pelas forças de segurança". E centenas foram presos.
"Mulheres corajosas"
Na sexta-feira, o presidente americano Joe Biden, cujo país é um inimigo jurado do Irã, disse que estava "com as mulheres corajosas do Irã", exortando o governo a "acabar com a violência contra seus cidadãos".
Os líderes iranianos acusam os EUA de desestabilizar seu país fomentando "tumultos".
Enquanto a União Européia se prepara para impor sanções ao Irã na segunda-feira, o chefe diplomático iraniano Hossein Amir-Abdollahian pediu à UE que adotasse uma "abordagem realista".
Ele também criticou um padrão duplo na sexta-feira: "Quem teria pensado que a morte de uma menina solteira seria tão importante para o Ocidente? O que eles fizeram com as centenas de milhares de mártires e mortos no Iraque, Afeganistão, Síria e Líbano?
Os protestos no Irã são os maiores desde os protestos de 2019 contra o aumento dos preços da gasolina no país rico em petróleo.

Replicado material do portal G1 via RSS



Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/10/15/iranianos-voltam-a-invadir-ruas-e-redes-sociais-contra-a-repressao-e-recebem-apoio-de-biden.ghtml
Link
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp