MENU

04/03/2021 às 15h37min - Atualizada em 04/03/2021 às 15h37min

​Santo Antônio da Platina tem novo caso de dengue

Caso foi o único em toda a região na última semana; acumulativo do ano tem 16 registros da doença

Tribuna do Vale
Divulgação

Santo Antônio da Platina foi o local do único caso de dengue registrado durante a última semana em toda a região, de acordo com o boletim epidemiológico do governo do Estado divulgado na terça-feira (02).

Este foi o segundo caso da doença em Santo Antônio da Platina no atual ano epidemiológico – que felizmente traz números menos expressivos no comparativo a esta época em anos anteriores.

Em toda a região foram registrados até o momento 16 casos de dengue em nove municípios entre os 22 da área de atuação da 19ª Regional de Saúde, com sede em Jacarezinho. Os dias de chuva, porém, e a consequente maior facilidade de procriação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença, deixam as autoridades sanitárias em alerta.

Os casos até o momento registrados são em Barra do Jacaré (1), Figueira (1), Jacarezinho (4), Jundiaí do Sul (1), Pinhalão (1), Ribeirão Claro (1), Salto do Itararé (4), Santo Antônio da Platina (2) e São José da Boa Vista (1).

Vale lembrar que no ano epidemiológico compreendido entre agosto de 2019 a julho de 2020 foram registrados o total de 5.122 casos de dengue entre os 22 municípios da área de atuação da 19ª Regional de Saúde. Tanto o Estado quanto a região tiveram números recordes da doença.

GERAL

O boletim semanal da dengue divulgado nesta terça-feira pela Secretaria Estadual da Saúde confirma um óbito e 295 novos casos da doença no Estado; o acumulado de casos no período epidemiológico, que começou em agosto de 2020 e segue até o final de julho deste ano, é de 3.424 casos e sete óbitos.

PREVENÇÃO

Município com histórico de maior reincidência de casos na região, Jacarezinho já se mobiliza para evitar que uma nova pandemia atinja o município – como tem sido recorrente em anos anteriores.

Com apoio da 19ª Regional de Saúde, foram realizados em janeiro e fevereiro dois mutirões de limpeza por toda a zona urbana e centenas de quilos de lixos e outros materiais foram retirados de quintais e terrenos baldios, eliminando milhares de possíveis criadouros do mosquito da dengue.

Nesta semana o município também iniciou a articulação do projeto de controle vetorial do mosquito da dengue, em uma parceria com a Forrest Brasil e a Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).

A Forrest já desenvolveu um projeto piloto em Jacarezinho entre 2018 e 2019 e teve resultados muito bons. O projeto consiste na soltura assistida de machos estéreis do Aedes aegypti.

O mosquito macho se alimenta apenas de seiva de plantas e, portanto, não pica e não oferece nenhum risco para a população. São as fêmeas que transmitem as doenças, pois precisam do sangue para completar o processo de maturação dos ovos e fazer a postura.

Como a fêmea copula uma única vez durante a vida, se a cópula for com um macho estéril então não haverá descendentes. Já se a cópula acontecer com um macho não estéril, uma fêmea pode gerar até 500 ovos, que vão resultar em milhares de novos mosquitos em um período curto de tempo.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp