MENU

03/06/2020 às 11h13min - Atualizada em 03/06/2020 às 11h13min

​O processo fúnebre no Brasil

Assessoria
Diamantes memorial estão disponíveis como opção de funeral no Brasil
Falar sobre morte é um assunto bastante delicado, sobretudo quando nos referimos a alguém que amamos. Afinal, ninguém gosta sequer de pensar nisso. O grande problema é que, além de gerar uma dor imensurável, o processo fúnebre implica em altos custos para os enlutados.
Diante disso: será que vale mais a pena enterrar ou cremar o falecido? Nos próximos tópicos, entenda as principais diferenças entre o enterro e a cremação e saiba como é possível encontrar um verdadeiro legado para as cinzas do falecido no Brasil, criando um diamante memorial.

Enterro vs. Cremação: Como se despedir de um ente querido falecido no Brasil

Dentre várias coisas que precisam ser decididas no momento de se despedir de algum ente amado falecido, vem a necessidade de escolher entre o enterro ou a cremação (transformação em cinzas).
 
  • Enterro:

O mais antigo enterro humano conhecido ocorreu cerca de 130.000 anos atrás e atualmente, no Brasil, o ato de enterrar entes queridos continua sendo amplamente difundido pela sociedade. Logo após a morte, os enlutados começam a planejar um velório primeiramente adquirindo a documentação necessária (como atestado de óbito) e realizando cerimônias religiosas para honrar a vida do falecido.

No entanto, algumas surpresas podem surgir caso a família não esteja precavida.

Isso porque o custo em comprar ou alugar um terreno no cemitério e arcar com todos os valores do velório pode sair bem caro – sem contar as taxas de manutenção, que são essenciais com o passar do tempo.

Caso escolha essa opção, vale a pena planejar os custos de um sepultamento e estar atento aos preços com antecedência, evitando impactos abusivos em um momento de tanta fragilidade.

O custo médio de um enterro no Brasil é de R$ 2500, considerando um serviço sem muitos requintes – apenas caixão simples, flores e velório. Mas caso os familiares o desejo de realizar uma cerimônia mais completa e requintada, o cenário pode se tornar bem diferente. Dependendo do cemitério, gastos com o sepultamento pode subir para aproximadamente R$ 7 mil até R$ 20 mil ou mais.

Tudo irá depender dos enfeites florais, tipo de caixão escolhido, detalhes de véus e velas, mesa de condolências e serviços extras para translado e capela.

A família também acaba tendo eternas taxas de manutenção do cemitério, sendo que só é possível contar com a ajuda do governo quando se comprova que não tem condições para arcar com os custos. Devido a esse cenário, muitos têm procurado maneiras alternativas para se despedir de seus parentes queridos.
 
  • Cremação:

A cremação (redução do corpo a cinzas), não é algo recente para a humanidade. Evidências indicam que pessoas já cremavam seus mortos em 8000 A.C.

Por muito tempo, o ato de cremar e transformar o corpo em cinzas foi visto como uma prática pagã por muitas esferas da sociedade. Embora algumas crenças e tabus ainda permeiem o assunto, muita coisa mudou desde que o catolicismo passou a aceitá-la no 1963.

No Brasil, a procura por cremações e transformações em cinzas vêm aumentando nas últimas décadas. Por exemplo, o número de corpos cremados no crematório da Vila Alpina em São Paulo ultrapassou o registro de 10.000 cremações em 2017. Este foi um aumento em relação ao total anual de 4.630 cremações registradas nos anos anteriores.

Cremação está disponível em cemitérios particulares por uma média de R$ 2 mil.
Os documentos necessários para cremar um ente querido variam conforme a causa morte (natural ou violenta) e podem ser consultados diretamente no crematório em que se deseja ter seu amado transformado em cinzas.

Além de ser uma prática muito higiênica, a cremação é um processo mais simples em comparação com o enterro tradicional. Não há necessidade de se preocupar em comprar espaço no cemitério ou pagar taxas de manutenção, especialmente se o local de descanso final para suas cinzas estiver um diamante memorial.

Para respeitar o momento de luto dos familiares, também ocorre um momento similar ao velório antes de transformar o corpo em cinzas. Os parentes e amigos se unem em uma pequena cerimônia para se despedir do falecido, prestando suas homenagens e condolências.

Encontrando o local de descanso ideal para as cinzas do falecido

Além de economizar e trazer praticidade para a família, as cinzas do ente querido (após cremação) podem ser destinadas para um descanso rico em significado.

Pode-se usar a criatividade no momento de homenagear o falecido por exemplo;
 
  • Transforme as cinzas em uma bela exibição de fogos de artifício
 
  • Criar um jardim memorial para as cinzas
 
  • Transformá-las em uma tinta personalizada para tatuagem;
 
  • Fazer itens de cerâmica diferenciados;
 
  • Alocá-las em um local especial do estádio de futebol (conforme alguns clubes já permitem);
 
  • Transformá-lasem recifes de coral para apoiar a vida marinha
 
  • Envie as cinzas em uma viagem pelo espaço
 
  • Criar um diamante de memorial único. 


Para quem deseja levar lindas lembranças do falecido para sempre consigo, criação de diamantes feitos através de cinzas humanas são um rico legado, especialmente porque os diamantes são eternos.

Como os diamantes são criados a partir das cinzas de um ente querido falecido?

Os diamantes de cremação feitos das cinzas são criados em laboratórios, reproduzindo as condições naturais para a formação de diamantes na crosta terrestre; alta pressão e alta temperatura (HPHT). Isto se baseia no princípio de que o corpo humano é composto de 18% de carbono e os diamantes são basicamente carbono cristalizado.

O processo HPHT utiliza três modelos de prensas principais para fornecer a pressão e a temperatura necessárias para produzir os diamantes de cremação feitos das cinzas: a prensa de correia, a prensa cúbica e a prensa de esferas divididas (BARS).

As sementes de diamante são colocadas na parte inferior da prensa e a parte interna é aquecida acima de 1.400 °C para derreter o metal solvente. O metal fundido dissolve a fonte de carbono de alta pureza (cinzas de cremação, purificadas até 99,99%).

Durante as etapas finais, a fonte de carbono é transportada para as pequenas sementes de diamante e que se precipitam, formando um diamante bruto não polido.

Os dados laboratoriais e os registros de produção do seu diamante de cremação feito de cinzas podem ser verificados e validados por qualquer instituto de controle de qualidade e de certificação de diamantes no Brasil.

O processo funerário no Brasil inicia imediatamente depois que alguém morre, terminando com cinzas (cremação) ou um funeral como despedida final. No entanto, algumas famílias modernas estão interessadas em homenagens diferenciadas, como o diamante de memorial, que fornece uma conexão eterna com o falecido, mesmo após a morte.  

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp