MENU

01/04/2020 às 17h19min - Atualizada em 03/04/2020 às 17h19min

De toque de recolher a desinfecção, medidas tentam frear coronavírus

Tribuna do Vale
Lucas Aleixo
Barreiras sanitárias, desinfecção de ruas e até toque de recolher. As prefeituras da região têm tomado diferentes – e em alguns casos polêmicas – medidas no combate à pandemia de coronavírus. Após a região registrar o primeiro caso confirmado da doença no último sábado (28), em Quatiguá, o temor entre a população aumenta e embasa ações preventivas.

Em Arapoti e Siqueira Campos decretos municipais, entre outras medidas, implantaram o toque de recolher, com a proibição dos cidadãos transitarem em certos horários da noite e da madrugada, salvo casos de trabalhos considerados essenciais ou comprovadamente urgentes.

Em Arapoti, exceto aos casos já especificados, está proibido o trânsito de pessoas das 21h às 05h do dia seguinte. Em Siqueira Campos o toque de recolher prevê reclusão total da população das 22h às 06h.

Wenceslau Braz, que na semana passada havia adotado a instalação de barreiras sanitárias para controlar e monitorar o fluxo de pessoas, agora também iniciou a desinfecção de ruas, utilizando cloro concentrado para combater o vírus. A medida deve ser contínua nas próximas semanas e abranger todas as regiões da zona urbana.

Outra prefeitura a adotar o controle por barreiras sanitárias foi a de Santana do Itararé, seguindo os passos das prefeituras de Ibaiti e Quatiguá, além da já citada Wenceslau Braz. No município, que faz divisa com o Estado de São Paulo, há, em redes sociais, uma reclamação maciça do número de visitantes nestes dias de quarentena.

Todas essas medidas somam-se aos decretos estaduais que restringem a atuação do comércio em todo Paraná. Paralelamente o Ministério Público Estadual tem emitido notas com grande frequência reiterando a necessidade de isolamento social.
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp