MENU

07/05/2021 às 14h42min - Atualizada em 10/05/2021 às 00h00min

Rappi: conheça a história do super app

SALA DA NOTÍCIA LUCAS WIDMAR PELISARI
Hoje em dia, muitas lojas no Brasil já conhecem a história do super app Rappi, que é usado para uma série de funções e em uma grande quantidade de mercados dentro do nosso país. No entanto, nem todo mundo sabe como o aplicativo começou a funcionar e como foi de uma simples startup colombiana para ser um dos grandes unicórnios da América Latina e "queridinha" do Vale do Silício.

Hoje em dia, nós conhecemos a Rappi principalmente pelo serviço de delivery em bares, restaurantes, supermercados e farmácias. No entanto, além da cor laranjinha, o app também é conhecido por muitos outros tipos de serviços, especialmente em outros lugares da América Latina, como a Colômbia ou Argentina (esse é, aliás, um dos incentivos a baixar o aplicativo, já que será possível usá-lo quando você viajar para outros países da região).

E aí, quer conhecer a história do super app Rappi? Então siga a leitura do artigo abaixo!

Como surgiu o Rappi?

A Rappi é uma Startup com cerca de 6 anos de idade, tendo sido fundada em 2015 na Colômbia, pelo trio Simon Borrero, Felipe Villamarín e Sebastián Mejía. Eles trabalhavam juntos na área de tecnologia antigamente e tinham experiência com aplicativos de delivery de supermercados.
Decidiram, então, criar um produto que solucionasse os problemas contextuais que os principais apps da área não solucionavam, ao mesmo tempo que entregavam uma experiência completa.


Um dos principais insights do Rappi no seu início foi a percepção que muitos aplicativos de delivery tinham problemas para avançar na Colômbia e na América do Sul em geral porque não trabalhavam com numerário, apenas cartão. No entanto, a população local não é tão bancarizada quanto em países da Europa e EUA.

Por isso, a equipe desenvolveu um modelo de negócios que permitisse o pagamento em dinheiro e isso expandiu muito a aceitação do aplicativo no começo.

Além desse recurso, o Rappi também começou a se destacar por ser um aplicativo que agrega recursos. Ou seja: além de fazer entregas de mercado, também fazia de restaurantes e farmácias. Isso fez com que ele fosse cada vez mais útil e importante para os usuários.

O sucesso da Rappi foi significativo. Em 2017, dois anos depois da fundação, já estavam operando no Brasil e com muito sucesso: seus entregadores andaram por mais de 2 milhões de quilômetros, uma distância grande o suficiente para dar 183 voltas na Lua. Atualmente, são quase 6 milhões de brasileiros no app.

Em 2018, no ano seguinte, a startup se tornou um unicórnio ao atingir $1 bilhão de dólares em valuation em uma rodada de investimentos, recolhendo aplicações dos principais fundos de investimento do planeta, como a DST Global, Sequoia e Andreessen Horowitz.

Como o Rappi inovou?

Muitas pessoas consideram que o Rappi é um rival para o iFood. No entanto, isso é apenas parcialmente verdadeiro. Afinal, o iFood é um aplicativo de delivery de comida que também tem função mercado e farmácia. No entanto, o Rappi é um superapp, que trabalha em várias áreas.
Assim como é um concorrente do iFood, é também um concorrente da Loggi e até mesmo do Mercado Livre. Isso sem falar em outras funções que só ele tem mesmo.

Isso acontece porque o Rappi aposta na verticalidade de uma série de funções específicas para os seus usuários. Além de entregar comida e compra de mercado, ele também permite aluguel de guarda-chuva, que o usuário saque dinheiro e que o usuário peça para o entregador fazer uma tarefa específica (levar um documento de um ponto a outro, etc.).

Para finalizar, o Rappi recentemente inovou com o desenvolvimento de um shopping digital para entrar de vez no setor de e-commerce. Com o recurso, os usuários podem fazer compras em lojas de shopping (como a Decathlon, Saraiva, etc.) e receber o produto comprado em 1 hora em casa, sem precisar lidar com o frete tradicional de e-commerces.

Por enquanto, o recurso só existe em São Paulo, já que ele é único para cada cidade. Por exemplo, em São Paulo podem existir x lojas da Decathlon e todas estão envolvidas no app, permitindo que o estoque seja compartilhado e o recurso seja organizado da melhor forma possível. Mas outras cidades podem não ter essa opção. Por isso, é preciso combinar e fechar acordos para cada cidade que tem cobertura do Rappi.

Assim, o projeto ainda está em testes, mas com promessa de desenvolvimento acelerado nos próximos meses.

E aí, o que você pensa do aplicativo agora que você conhece a história do super app Rappi? Se interessou mais em usá-lo ou acredita que ele não é uma boa opção para você, pois não encontrará o que precisa por lá? Isso pode ser difícil, já que o foco do aplicativo é justamente ter o máximo de lojas e produtos possível, tornando todo tipo de compra acessível a um clique de distância.
Gostou do conteúdo? Então compartilhe-o nas redes sociais para que seus amigos também o vejam!


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp