MENU

13/07/2021 às 19h56min - Atualizada em 14/07/2021 às 00h00min

Quando a derrota é necessária: contradições na pátria de chuteiras

Luís Fernando Lopes

SALA DA NOTÍCIA NQM
http://www.uninter.com
Depois de uma Copa América repleta de controvérsias, o desfecho foi marcado pela derrota da seleção do país, que a contragosto de boa parte da população sediou a competição. O título acabou ficando com o maior rival sul-americano do Brasil e quiçá mundialmente, a Argentina.  

Além do futebol tímido de nossa seleção, que deixou muito a desejar, o momento vivido pela nação foi praticamente esquecido pela equipe. O máximo que se fez foi um minuto de silêncio antes do início dos jogos. Se em um primeiro momento antes do evento alguns jogadores chegaram a se manifestar contra a realização da competição no Brasil, após o início parece que os problemas sociais, políticos e econômicos do país foram completamente esquecidos. Afinal somos a pátria de chuteiras. 

Se as derrotas podem nos ensinar como afirma a sabedoria popular, talvez essa derrota na final de uma Copa América com pouca expressão e falta de interesse de muitos brasileiros possa ser um sinal para que voltemos nossa atenção e esforços para as necessidades realmente urgentes do país. 

Se a intenção de alguns era desviar o foco e fazer da Copa América um evento político para proporcionar um esquecimento dos problemas e fazer de conta que está tudo “normal”, o objetivo parece que não foi totalmente alcançado. Denúncias e suspeitas gravíssimas de corrupção que se acumulam, a vacinação caminha a passos lentos com paradas intermitentes por falta de doses. Nesse contexto uma grande parte dos cidadãos da pátria de chuteiras chegou a torcer contra a própria seleção numa final em benefício do seu maior rival.  

No mínimo temos uma situação de profunda insatisfação, e ainda que alguns queiram negar, seja pelo desinteresse ou por meio de manifestações diretas, uma parte considerável do povo se manifesta. É preciso cautela para evitar juízos ligeiros e equivocados, mas os problemas do país estão aí e clamam por respostas e soluções. Certamente não serão eventos esportivos, sejamos vitoriosos ou não, que os resolverão. 

Assim, o pouco interesse por parte do público junto com uma participação pouco expressiva de nossa seleção parece indicar que precisamos dedicar atenção e esforços para o que realmente importa em um momento tão complexo como este que vivemos. O futebol e a seleção não deixarão de ter sua importância para o país. Mas por que um povo irá se importar com uma seleção que parece não se importar com seu povo?  

Luís Fernando Lopes é mestre e doutor em Educação. Professor da Área de Humanidades do Centro Universitário Internacional UNINTER
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp