MENU

13/07/2021 às 20h49min - Atualizada em 14/07/2021 às 00h00min

Ex-secretária de Umuarama presta depoimento à CPI que apura desvios de recursos da Saúde

Cecília Cividini é invetigada pela Câmara de Vereadores e pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por suposto desvio de R$ 19 milhões do Fundo Municipal de Saúde.

G1 - Norte, Nordeste PR
https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2021/07/13/ex-secretaria-de-umuarama-presta-depoimento-a-cpi-que-apura-desvios-de-recursos-da-saude.ghtml
Cecília Cividini é invetigada pela Câmara de Vereadores e pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por suposto desvio de R$ 19 milhões do Fundo Municipal de Saúde. CPI investiga se prefeito de Umuarama furou a fila da vacina
O Ministério Público do Paraná (MP-PR) e a Comissão Processante de Inquérito (CPI) da Câmara de Vereadores apuram se o prefeito de Umuarama, no noroeste do Paraná, furou a fila de vacinação contra o coronavirus.
Nesta terça-feira (13), a CPI ouviu uma testemunha chave dessas investigações. A ex-secretária de Sáude, Cecília Cividini, afastada por suspeita de desvio de dinheiro da pasta.
Cecília foi ouvida na CPI que apura o suposto desvio de R$ 19 milhões do Fundo Municipal de Saúde.
O MP-PR também investiga o caso, e com base em uma conversa da ex-secretária com outra servidora, suspeita que o prefeito Celso Pozzobom, do PSC, tenha furado a fila da vacinação.
No diálogo gravado com autorização da justiça, a ex-secretária pede à servidora que "mande a caixa" e orienta que a ela seja embrulhada em um saco preto.
Câmara de Umuarama aprova instalação de CPI para investigar desvios na Saúde
Presidente de CPI que apura supostos desvios de recursos em Umuarama diz que gratificação para servidor um dia antes de depoimento gera 'suspeitas'
Segundo o MP, provavelmente para esconder que se trata de uma caixa com vacinas. No fim, a servidora ainda fala para a ex-secretária "se o prefeito de uma cidade desse tamanho não puder, então quem pode?".
O trecho da conversa anexada pelo MP-PR ao processo da operação Metástase é de janeiro de 2021 no início da campanha de vacinação contra a Covid-19. Na época apenas servidores da saúde, que atuavam da linha de frente, estavam autorizados a se imunizar.
Segundo a presidente da CPI os vereadores foram informados que ele não tomou vacina.
“O advogado do prefeito disse que ele não tomou a vacina. A defesa forneceu um exame com um resultado indeterminado, isso será investigado”, disse a presidente da CPI, a vereadora Ana Novais (PSL).
Na sessão, ao ser questionada pelos vereadores se ela aplicou a vacina no prefeito, a ex-secretária da Saúde disse que só responderia perguntas relacionadas a investigação da CPI e não do MP-PR.
O advogado de Cecília Cividini disse que não vai se manifestar.
Sobre os desvios de dinheiro do Fundo Municipal de Saúde, o prefeito Celso Pozzobom, do PSC, negou as acusações e disse que o município está à disposição para esclarecimentos.
Pozzobom disse também que ainda não tomou vacina contra a Covid-19, apesar de já ter 67 anos, e negou ter furado a fila da vacinação no começo da campanha.
Investigação
A CPI foi aberta após uma operação do Ministério Público que prendeu sete pessoas e cumpriu mandados de busca no gabinete e casa do prefeito da cidade, em 5 de maio.
O órgão deflagrou a ação para investigar o desvio de verbas do Fundo Municipal de Saúde, além de vacinas contra a Covid-19. À época, a promotoria informou que o prejuízo pode chegar a R$ 19 milhões.
A operação cumpriu 62 mandados de busca e apreensão, sendo que dois foram cumpridos na casa e no gabinete do prefeito Celso Pozzobom.
Após a operação, o prefeito disse em coletiva de imprensa que desconhece desvios e que apoia a investigação.
De acordo com o MP-PR, as investigações começaram no início de 2020. Há indício de fraudes em licitações, com superfaturamento de contratos, emissões de notas fiscais frias, depósitos em contas de investigados e terceiro.
As investigações indicam a atuação de uma organização criminosa suspeita de praticar os crimes de peculato e falsidade ideológica. Empresas ligadas ao grupo eram beneficiadas no esquema, de acordo com o Ministério Público.
Além do prejuízo estimado em R$ 19 milhões, os promotores apuraram que desvios de recursos de entidades filantrópicas, que prestam serviços médico-hospitalares, foram usados para compra de equipamentos náuticos e construção de uma casa de veraneio em Porto Rico, no noroeste do estado.
Veja mais notícias da região no G1 Norte e Noroeste.

Fonte: https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2021/07/13/ex-secretaria-de-umuarama-presta-depoimento-a-cpi-que-apura-desvios-de-recursos-da-saude.ghtml
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp