MENU

14/07/2021 às 20h54min - Atualizada em 15/07/2021 às 00h01min

Associações que defendem direitos de pessoas trans em 22 países denunciam à ONU assassinatos no Brasil

60 organizações cobram que as Nações Unidas e a OEA declarem o país como não seguro para a população LGBTQIA+ caso os crimes continuem. Brasil é o que mais mata trans no mundo.

G1 - Mundo
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/07/14/associacoes-que-defendem-direitos-de-pessoas-trans-em-22-paises-denunciam-a-onu-assassinatos-no-brasil.ghtml

60 organizações cobram que as Nações Unidas e a OEA declarem o país como não seguro para a população LGBTQIA+ caso os crimes continuem. Brasil é o que mais mata trans no mundo. Um grupo de 60 associações de defesa dos direitos de pessoas trans de 22 países denunciou os assassinatos dessa população no Brasil à Organização das Nações Unidas (ONU).
Em carta divulgada nesta quarta-feira (14), as organizações citam "a extrema violência generalizada", a impunidade e a falta de medidas por parte do governo para erradicar esses problemas.
Carta de 60 associações de 22 países denuncia assassinatos de pessoas trans no Brasil
Reprodução/Antra
Há uma semana, a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), que também assina a carta, informou que ao menos 80 pessoas trans foram mortas no Brasil no 1º semestre deste ano. Em 2020, foram 175, um recorde desde quando a entidade começou a contabilizar esses crimes, em 2017.
Com isso, o Brasil manteve a posição de país que mais mata trans no mundo, à frente de México e Estados Unidos, segundo a ONG Transgender Europe (TGEU), que monitora 71 países.
Associação aponta que 175 pessoas transexuais foram mortas no Brasil em 2020
Na carta, as 60 organizações pedem que o Secretário-Geral das Nações Unidas e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e a Organização dos Estados Americanos (OEA) intercedam junto ao governo brasileiro para que sejam integrados na aplicação e na interpretação da legislação interna os tratados internacionais sobre direitos humanos com relação a identidade de gênero e os Princípios de Yogyakarta.
Os Princípios de Yogyakarta são um documento internacional de 2006 sobre direitos humanos da população LGBTQIA+, assinado na cidade com este nome, na Indonésia. Eles foram completados em 2017, para abranger outras identidades e orientações sexuais.
As associações cobram ainda que os assassinatos de pessoas trans sejam investigados e que os criminosos sejam responsabilizados por discriminação e ódio. E que as famílias das vítimas desses crimes sejam indenizadas "de maneira proporcional ao dano sofrido".
Pedem também que algum estado-membro da ONU dê asilo as vítimas dessa violações. E que, se os crimes continuarem, "o Brasil seja declarado um país não seguro para a população LGBTI internacional".
Mais que uma letra:
Mais que uma letra: entenda o que significa a sigla LGBTQIA+
Mais que uma letra: ‘Empresas não estão preparadas para pessoas trans’, diz produtora
Mais que uma letra: 'Ser bicha na periferia é muito cruel e muito poderoso', diz bailarino
Mais que uma letra: ‘A gente vem sendo invisibilizada há muitos anos’, diz lésbica
Mais que uma letra: ‘Acham que pessoas bissexuais nem existem’, diz médica
Mais que uma letra: 'Sinto que algo meu foi roubado', diz intersexo
Mais que uma letra: 'Não me encaixava no grupo dos homens, nem das mulheres', diz Beta
Mais que uma letra: 'É comum que assexuais sejam classificados como doentes’, diz advogado

Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/07/14/associacoes-que-defendem-direitos-de-pessoas-trans-em-22-paises-denunciam-a-onu-assassinatos-no-brasil.ghtml
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp